segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

NAS FRONTEIRAS DA LOUCURA - 14ª ed.

Caros amigos, ao terminar a leitura do livro “Nas Fronteiras da Loucura” escrito pelo médico baiano, já desencarnado, Dr. Manoel Philomeno Batista de Miranda (1876-1942). Resolvi transcrever o prefácio desta importante obra, junto, ao texto do espírito André Luiz, intitulado “Explicações”.
Portanto desejo a todos, uma boa leitura e reflexão. Fernando Vieira Filho(1)

“É muito diáfana a linha divisória entre a sanidade e o desequilíbrio mental.
Transita-se de uma para outro lado com relativa facilidade, sem que haja, inicialmente, uma mudança expressiva no comportamento da criatura.
Ligeira excitação, alguma ocorrência depressiva, uma ansiedade, ou um momento de mágoa, a escassez de recursos financeiros, o impedimento social, a ausência de trabalho digno entre muitos outros fatores, pode levar o homem a transferir-se para outra faixa da saúde mental, alienando-se, temporariamente, e logo podendo retornar a posição regular, a de sanidade.
Problemas de ordem emocional e psicológica, mais costumeiramente conduzem a estados de distonia psíquica, não produzindo maiores danos, quando não se deixa que se enraízem ou que constituam causa de demorado trauma.
Vivendo-se numa sociedade em que as neuroses e as psicoses campeiam desenfreadas, vitimando um número cada vez maior de homens indefesos, as balizas demarcatórias dos distúrbios mentais fazem-se mais amplas.
Há, no entanto, além dos fatores que predispõem a loucura e dentre os quais situamos o carma do Espírito, nos quais se demoram incontáveis criaturas em plena fronteira, a obsessão espiritual, que as impulsiona a darem o passo adiante, arrojando-as no desfiladeiro da alienação de largo porte e de difícil recuperação...
São sexólatras, os violentos, os exagerados, os dependentes, de viciações de qualquer natureza, os pessimistas, os invejosos, os amargurados, os suspeitosos incondicionais, os ciumentos, os obsidiados, que mais facilmente transpõem os limites da saúde mental...
Não nos desejamos referir aqueles que são portadores de patogenias mais imperiosas em razão de enfermidades graves, da hereditariedade, de distúrbios glandulares e orgânicos, de traumas cranianos e de seqüelas de inúmeras doenças outras...
Queremos deter-nos nas psicopatogêneses espirituais, sejam as de natureza emocional, pelas aptidões e impulsos que procedem das reencarnações transatas, de que os enfermos não se liberam, seja pelo impositivo das obsessões infelizes, produzidas por encarnados ou por espíritos que já se despiram da indumentária carnal, permanecendo, no entanto, nos propósitos inferiores a que se aferram...
A obsessão é uma fronteira perigosa para a loucura irreversível.
Sutil e transparente, a princípio, agravam-se em razão da tendência negativa com que a agasalha o infrator dos soberanos Códigos da Vida.
Dando gênese a enfermidades várias, inicialmente imaginarias que recebe por via telepática, pode transformar-se em males orgânicos de conseqüências insuspeitadas, ao talante do agente perseguidor que induz a vítima que o hospeda, a situações lamentáveis.
Comportamentos que se modificam, assumindo posições e atitudes estranhas, mórbidas, exprimem constrição de mentes obsessoras sobre aqueles que se lhes submetem, mergulhando em fosso de sombras e de penoso transito...
Há muito mais obsessão, grassando na Terra, do que imagina e se crê.
Mundo este que é de intercâmbio mental, vivo e pulsante, cada ser sintoniza com outro equivalente, prevalecendo, por enquanto, os teores mais pesados de vibrações negativas, que perturbam gravemente a economia psíquica, social e moral dos homens que nele habitam.
Não obstante, a vigilância do amor de Cristo Jesus atua positiva, laborando com eficiência, a fim de que se modifiquem os dolorosos quadros da atualidade, dando surgimento a uma fase nova de saúde e paz.
Nesse contexto, o Espiritismo – que é o mais eficaz e fácil tratado de Higiene Mental – desempenha um relevante papel, qual seja o de prevenir o homem dos males que ele gera para si mesmo e lhe cumpre evitar, como facultando-lhe os recursos para superar a problemática obsessiva, ao mesmo tempo apoiando e enriquecendo os nobres profissionais e missionários da Psicologia, da Psiquiatria, da Psicanálise...
Neste livro procuramos examinar algumas técnicas obsessivas de entidades perversas, que ainda se comprazem no mal, estimulando os sentimentos e paixões inferiores, tanto quanto alguns outros métodos e terapias desobsessivas ministradas pelos Mentores Espirituais e demais abnegados prepostos de Jesus nesta batalha do bem, da luz contra a treva.
Desfilam, nas páginas que se irão ler vidas e criaturas que encontravam nas fronteiras da loucura e que forma amparadas, reconduzidas ao equilíbrio, quanto outras que se vitimaram, oferecendo-se preciosas lições que devem ser incorporadas ao cotidiano de cada um de nós.
Sobretudo, destacamos o esforço e a dedicação dos Mensageiros do bem e da paz, na faina infatigável de ajudar, ensinando pelo exemplo a lição de fé viva e da caridade plena...”
Manoel Philomeno de Miranda, em 24/02/1982.

EXPLICAÇÃO (por André Luiz)
A desmontagem da obsessão é trabalho milenar sobre a Terra. Por isso mesmo, não se atribuí a um tarefeiro único a obrigação de erradicá-la no caminho dos homens.
Manoel Philomeno de Miranda é um batalhador que penetra no campo de serviço criando novos sistemas de trabalho e novos planos de ação para que seno extinga semelhante flagelo no mundo físico. Que a sua tarefa frutifique em benção de libertação e que o Senhor a todos nos fortaleça e nos abençoe.
André Luiz, por Chico Xavier em 15/05/1982.

Assim caro leitor, acredito que as sessões de desobessão, nas Casas Espíritas, devem ser feitas dentro do maior rigor doutrinário, evitando, no momento da sessão, estudos e comentários de obras que não sejam de Allan Kardec. Lembrando que o trabalho de desobsessão é um exercício de caridade, compaixão e desprendimento absoluto, em favor das Entidades em sofrimento, sejam elas encarnadas ou desencarnadas. No esquecendo da Terapia do Evangelho, isto é, fazer o Culto do Evangelho no Lar, todos os dias. Porque a leitura do Evangelho, assim como, de qualquer outro livro, antes do sono, “forra” o nosso subconsciente, de forma positiva ou negativa, conforme o que lemos. E ainda, é de bom alvitre lembrar, tudo aquilo, que fazemos a outrem, estamos fazendo por nós mesmos.

(1) Fernando Vieira Filho é psicoterapeuta, é especialista em Terapia com Florais de Bach e autor do livro - Cure suas Mágoas e Seja Feliz! - Barany Editora - São Paulo 2012
(55 11) 99684-0463 (São Paulo e Brasil)
(55 34)  3077-2721  (Uberaba)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça seu comentário

Postar um comentário